quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Sonia Mello 120... 150... 200... km por hora - de Roberto e Erasmo Carlos



Tenho neste blog leituras dos meus olhos, "as minhas estão com o meu nome no rodapé".

Sopro de Vida

De repente as coisas não precisam mais fazer sentido.
Satisfaço-me em ser!  Tu és?
Tenho certeza que sim.
O não sentido das coisas me faz
ter um sorriso de complacência.
De certo tudo deve estar sendo como é !!!

(Esta foi uma das últimas postagens de Clarice Lispector
 antes de sua morte - Livro: Sopro de Vida)




No fim tu hás de ver que as coisas mais leves
são as únicas que o vento não conseguiu levar:
um estribilho antigo,
um carinho no exato momento preciso,
o folhear de um livro de poemas,
o cheiro que tinha o próprio vento.

(Também uma das últimas postagem de Mário Quintana)



De tudo, ficaram três coisas:
A certeza de que estava sempre começando,
A certeza de que é preciso continuar, e
A certeza de que seria interrompido antes de terminar.
Portanto,
Fazer da interrupção um caminho novo,
Da queda um passo de dança,
Do medo uma escada,
Do sono uma ponte,
Da procura um encontro.

(Fernando Sabino)

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Como ver o Sol ???

Posso ser várias.
Tem momentos que sou toda doçura.
Se estás no meu pensamento
Tem momentos que sou toda tristeza.
Se também estás.                                                          
Decifrar meu espirito
Pode ser como
Ler no brilho das estrelas
Dentro da noite escura
A beleza dos sonhos acontecerem
Encontrar na lua
O feitiço do amor perfeito.
E ao amanhecer ...Ver o Sol acontecer
Sem se ofuscar com o seu brilho,
Os sonhos aconteceram
O feitiço passou,  E
Um novo dia está por vir,
Então posso ser a outra
A última ...
E dentro desta, a força da primeira
Com a magia da única.


Autora: Sônia MLO

Sou como você me vê

Algumas de "Clarice Lispector" que adoro !!!

O que eu sinto eu não ajo.
O que ajo não penso.
O que penso não sinto.
Do que sei sou ignorante.
Do que sinto não ignoro.
Não me entendo e ajo como se me entendesse.

Sou como você me vê.
Posso ser leve como uma brisa.
Ou forte como uma ventânia.
Depende de quando
E como você me vê passar.

Oh Deus, que faço dessa felicidade ao meu redor que é eterna,
eterna, eterna e que passará daqui a um instante? Porque o corpo
só nos ensina a ser mortal?

Agora preciso da tua mão, não para que eu não tenha medo,
mas para que tu não tenhas medo. Sei que acreditar em tudo
será no começo, a tua grande solidão, mas chegará o instante
mágico em que me darás a mão não mais por solidão,
mas por amor.

"Não quero ter a terrível limitação de quem vive apenas do
que é possível fazer sentido. Eu não: quero é uma verdade
inventada".

terça-feira, 2 de novembro de 2010

A ternura que busco

Pelo lado de fora, lindo era o silêncio , compreendia a surdina da sina, quem sabe nem fosse silêncio e sim um ritmo... Há no ciciar ternura, chega ao ouvir da Lua, desliza nas árvores, preenche-as de frutos. De lá colhi meu sono, escondida estava no colo da noite, encontrei! Sussurrava o crepúsculo insaciável.  
Lá se ia meus pensamentos: arrastava versos, criava procura… eis no caminho uma rota, nela uma brota.

— A alma levava-me a ela, o corpo ia tripulante. (uma navegadora a deriva). No balançar das ondas hasteava a esperança, esposava os meus abraços, trazia a poesia sã e salva. Felicidade chegava naquela hora, sorria desconexa, trazia em si, rimas, dormiu ao meu lado!
Nestas águas de silêncio velejo as escondidas, levo o meu coração para prender os mares numa praia deserta!


Esta poesia é de autoria do meu irmão J.Vitor, como um carinho pra mim.

Páginas da vida

Minha vida é um livro aberto,
Mas com páginas faltando,
Arrancadas pelos ventos
Do destino, da ironia,
Ainda malografadas fantasias,
Dos mais intimos pensamentos.
Têm folhas tão bem escritas,
Tão coloridas, alegres ...
Outras, ilegíveis, corrompidas
De dias sufocantes
Pedaços das minhas mágoas,
Que desenharam e marcaram
Tantas páginas.
Se um desejo eu pudesse
Quisera mergulhar
Em uma fase de luz ...
Nos anos de um outono vindouro
Superar este abandono
Que foi imposto.
Reaver algumas folhas
Corrigir alguns erros
Restaurar dores, perdas ...
Realinhar os meus passos
Possa, ao menos, eu sonhar
Que a brisa da esperança
Traga um pouco de bonança
Que outra chance esteja vindo,
As passagens colorindo,
Nas páginas da existência
Que me restam a escrever.

De: Oriza Martins,  postado  por Sônia MLO

Farei deste “Blog” meu caderno

Farei deste “Blog” meu caderno

Caderno que se põe aberto para cordear letras, letras corridas preenchidas de inabilidade em linhas da vida ida.
Se a fertilidade vertia-se nas espigas de rabisco; meus pés fizeram alagares de inaptidão. Cresceu ervas daninha, suplantou as letras, digo ao agora, “conselho destas linhas:” “A vida que nos mostre a necessidade de ser por menos e por mais efetiva.” - ninguém lastimará a quem não soube discursar, não soube louvar, elevar e ou até pregar!!!
Ninguém perdoará pelas tais coisas, pelos traçados a toa. Sim! Serei memorada em cada caso perdido; serei uma luz escassa num candeeiro esquecido.    
Não precisarei ser letras inteligentes; vestir-me-ão os olhares distantes.
 Caderno que se põe aberto! — vou mudar-te agora, capinar o teu redor, ampliar o teu paiol, enxertar as parreiras, vê-las colorir a taça… minha! antes baça!





Esta poesia é de autoria do meu irmão J.Vitor, como um carinho pra mim.

Não dá para parar


A vida é por nós um diário.

Descreve caminhos, dita destino.
Dá a cada qual a suas pedras
Alimenta as orgias, copia o medo…

A vida nos faz segredo.
“Na medida do tempo”
Destrama uma trama
Esparrama sua tinta crônica

E traz as letras do futuro.

A vida não nos dá a opção de frear,
Tão pouco estacionar a felicidade,
"beijar o mesmo beijo seria voltar"  
cada amor feito morre nos seus ases,
e nestes ases, amores vão se produzindo;
e a resposta do amor vai se reproduzindo!


Esta poesia é de autoria de J.Vitor,
meu irmão, como um carinho pra mim!




segunda-feira, 1 de novembro de 2010

video
Ausência

Eu deixarei que morra em mim o desejo de amar os teus olhos que são doces
Porque nada te poderei dar senão a mágoa de me veres eternamente exausta.
No entanto a tua presença é qualquer coisa como a luz e a vida
E eu sinto que em meu gesto existe o teu gesto e em minha voz a tua voz.
Não te quero ter porque em meu ser tudo estaria terminado.
Quero só que surjas em mim como a fé nos desesperados
Para que eu possa levar uma gota de orvalho nesta terra bendita.

Que ficou sobre a minha carne como nódoa do passado.
Eu deixarei... tu irás e encostarás a tua face em outra face.
Teus dedos enlaçarão outros dedos e tu desabrocharás para a madrugada.
Mas tu não saberás que quem te colheu fui eu, porque eu fui o grande íntimo da noite.
Porque eu encostei minha face na face da noite e ouvi a tua fala amorosa.
Porque meus dedos enlaçaram os dedos da névoa suspensos no espaço.
E eu trouxe até mim a misteriosa essência do teu abandono desordenado.
Eu ficarei só como os veleiros nos pontos silenciosos.
Mas eu te possuirei como ninguém porque poderei partir.
E todas as lamentações do mar, do vento, do céu, das aves, das estrelas.
Serão a tua voz presente, a tua voz ausente, a tua voz serenizada.

Vinícius de Moraes

domingo, 31 de outubro de 2010

Ainda sobre a Felicidade !!!

Sou o que quero ser,
Porque possuo apenas uma vida
E nela só tenho uma chance
De ser feliz.
Tenho felicidade o bastante
Para fazê-la doce,
Dificuldades para fazê-la forte.
Tristeza para fazê-la humana e
Esperança suficiente para fazê-la feliz.

"As pessoas mais felizes não têm as
  melhores coisas, elas sabem fazer o melhor
  das oportunidades que
  aparecem em seus caminhos."

(Clarice Lispector)


A cada dia que vivo, mais me convenço de que o
desperdício da vida está no amor que não damos,
nas forças que não usamos, na prudência egoísta
que nada arrisca e que, esquivando-nos do sofrimento,
perdemos também a felicidade.

(Carlos Drumond de Andrade)


O segredo não é correr atrás das borboletas ...
é cuidar do jardim para que elas venham até nós !!!

(Mario Quintana)

Pensamentos Únicos

Deus nos dá pessoas e coisas para aprendermos a alegria ...
Depois, retoma coisas e pessoas para ver se já somos capazes
da alegria sózinhos.
Essa ... a alegria que ele quer.      (Guimarães Rosa)


A felicidade aparece para aqueles que choram.
Para aqueles que se machucam.
Para aqueles que buscam e tentam sempre.
E para aqueles que reconhecem a importância
das pessoas que passaram por nossas vidas.
                                                    (Clarice Lispector)

Quando uma porta da felicidade se fecha, outra se abre,
mas costumamos ficar olhando tanto tempo para a que
se fechou, que não vemos a outra que se abriu.
                                                    (Autor desconhecido)

                                                                       

A caminhada

Sei que na minha caminhada
tem um destino e uma direção,
por isso devo medir meus passos,
prestar atenção no que faço e
no que fazem os que por mim também passam
ou pelo quais passo eu ...
Que eu não me iluda com o ânimo
e o vigor dos primeiros trechos,
porque chegará o dia em que os pés
não terão tanta força e se ferirão no caminho
e se cansarão mais cedo ...
Todavia, quando o cansaço houver,
que eu não me desespere e
acredite que ainda terei forças
para continuar ...
principalmente quando houver
quem me auxilie.
É oportuno que, em meus sorrisos,
eu me lembre que existem os que choram,
que assim, meu sorriso não ofenda a
mágoa dos que sofrem: por outro lado,
quando chegar a minha vez de chorar,
que eu não me deixe dominar pela desesperança,
mas que eu entenda o meu sofrimento,
que me nivela, que me iguala,
que torna todas as pessoas iguais ...
Quando eu tiver tudo: farnel e coragem,
água no canil, e ânimo no coração,
calçado nos pés e chapéu na cabeça, e assim;
não temer o vento e o frio,
a chuva e o tempo.
Que eu não me considere melhor
do que aqueles que ficaram atrás,
porque pode vir o dia em que nada terei
mais para a minha jornada e aqueles,
que ultrapassei na caminhada,
me alcancarão e também poderão
fazer como eu fiz, e nada de fato fazerem por mim,
e que ficarei no meio do caminho, sem concluí-lo ...
Quando o dia brilhar, que tenha vontade de
ver a noite em que a caminhada será mais fácil
e mais amena; porém se a escuridão tornar
mais dificil a chegada, que eu saiba esperar
o dia, como aurora, seu calor como benção ...
Que eu perceba que a caminhada sozinha
pode ser mais rápida, mas muito vazia ...
Quando eu tiver sede, que encontre a
fonte do caminho.
Quando eu me perder, que ache a indicação,
a seta, a direção ...
Que eu não seja os que desviam,
mas que ninguém se desvie seguindo os meus passos.
Que a pressa em chegar não me afaste da alegria
de ver as flores simples que estão à beira da estrada.
Que eu não pertube a caminhada de ninguém,
que eu entenda que seguir faz bem,
mas que às vezes, é preciso ter a bravura dos fortes
para voltar atrás e recomeçar em outra direção ...
Que eu não me perca mais nas encruzilhadas,
e que não tema os que assaltam, embuçam ...
mas que eu vá onde devo ir, e,
se eu cair no meio do caminho,
que fique a lembrança da minha queda e que sirva
para impedir que outros caiam no mesmo abismo.
Que eu chegue, sim,
mas ainda mais importante ...
Que eu faça chegar também quem me perguntar,
quem me pediu conselho,
e acima de tudo me seguir ...
Confiando em mim !!!

Neste dia de domingo 3l/10/2010, eu não poderia
ter recebido nada mais lindo, mais rico que esse
texto de "Ponsancini".