segunda-feira, 4 de abril de 2011

A vida se despedindo

Eu ví ...                                                                                                   
Muitas flores a beira da estrada
Mas só uma solitária, amarela
Querendo ainda se firmar
Olhei para ela
Tristonha, sofrendo, ferida.

As lágrimas me saltaram aos olhos
Essas mesmas lágrimas
Que não faz muito tempo
Cairam sobre ela e lhe deram alguma vida.
Abracei-me a ela
Pudesse eu lhe dar alguma alegria

Nesse oceano,
As águas levam os sonhos
Que muita gente plantou,
Uma esperança,
Mas que muito pouco restou.

Esta idosa carente
Sentindo-se ignorada
Depois de belas sementes
Que em sua vida havia plantado
Necessitando a presença, de quem ???
De alguém ...
Quanta espera, quanta ausência !!!

Aqui fora, estou eu
Uma estrela  insiste em brilhar
Olho para o céu e grito                                                          
Um grito sufocado aqui no peito
Têm vida ainda aqui

Um céu azul tão bonito, imenso
Me pergunto, nossa como sou pequenina,
não tenho força,
não tenho poder de nada
Nem me acho.

Se somos todos filhos de um só Deus e
Estamos juntos aqui, 
Nos ajude a chegar até aí ...

Um comentário:

leacir disse...

Soninha, entrei na sua historia e sinto na pele a sua dor, saiba, conte comigo neste momento mesmo a distancia....beijosss